5 exposições que te farão embarcar para Paris nesse segundo semestre

01/09/2016.Letícia.0 Likes.0 Comments
Home/Temas parisieníssimos/Encante-se/5 exposições que te farão embarcar para Paris nesse segundo semestre

E eu mal podia esperar para compartilhar com vocês algumas exposições imperdíveis que estreiam aqui em Paris neste segundo semestre.

Como sempre, a agenda de exposições na cidade é vasta e tem programa para todos os gostos, seja nos museus, nas galerias e em outros espaços dedicados.
Mas como é impossível listar tudo que rola de interessante por aqui, selecionei abaixo as 5 exposições desta próxima temporada, que eu pessoalmente não deixarei de conferir.

E você, ja está fazendo as malas para vir à Paris?

5. Hergé

De 28/09/2016 a 15/01/2017

Essa é para os fãs de Tintin ou de “As Aventuras de Tintin”!

 A equipe do Grand Palais em colaboração com o Museu Hergé, apresentará a trajetória de Georges Remi, ou apenas Hergé, o autor belga de história em quadrinhos, criador deste personagem querido de muitas gerações.

Hergé, além de ser considerado um dos maiores artistas contemporâneos, também é conhecido como o pai da história em quadrinhos européia, por ter tão bem reproduzido e adaptado o estilo americano do desenho para quadrinhos, ao gosto europeu.

+ Info útil:

Grand Palais
3 Avenue du Général Eisenhower – 75008 Paris
Metrô: Champs-Élysées – Clemenceau (linhas 1 e 13) ou Franklin D. Roosevelt (linhas 1 e 9)
Aberto todos os dias – exceto às terças-feiras – das 10 às 20h. Até às 22h, às quartas-feiras.
Ingresso: 13 euros. Bilhete combinado com outra exposição (como a número 2 do post!): 23 euros.

4. Rembrandt intime
(Rembrandt íntimo)

De 16/09/2016 a 23/01/2017

Falar de Rembrandt – mestre da pintura holandesa do século 17 – é redundância.

Considerado por alguns, o maior pintor de todos os tempos – certamente o mais importante da história holandesa – suas obras retratam basicamente três temas: as pinturas sacras, os auto-retratos e os retratos de grupos. Sua técnica obteve destaque principalmente pela qualidade que o pintor tinha em demonstrar emoções. Talvez até devido à sua propria história pessoal, com diversas tragédias em meio ao êxito, suas leituras psicológicas foram comparadas às de Van Gogh, mais de 200 anos depois.

Além das 3 telas da coleção de Édouard André e Nélie Jacquemart, o museu reunirá nesta exposição outras obras importantes – telas e gravuras – emprestadas de outros museus como: o Museu Metropolitan de Nova York, a National Gallery de Londres e o Rijksmuseum de Amsterdam.

E sobre o Museu Jacquemart-André e seu café, já falamos neste post aqui.

+ Info útil:

Musée Jacquemart-André
158 Boulevard Haussmann – 75008 Paris
Metrô: Saint-Philippe-du-Roule (linha 9) ou Miromesnil (linhas 9 e 13)
Aberto todos os dias – das 10h às 18h. Até às 20h30, às segundas-feiras.
Ingresso: 13 euros.

3. L’Oeil de Baudelaire
(O Olhar de Baudelaire)

De 20/09/2016 a 29/01/2017

Sim, uma exposição – de abordagem muito criativa – dedicada a Charles Baudelaire!

Na ocasião dos 150 anos da morte do poeta, o Musée De La Vie Romantique (que merece outro post dedicado à sua história e a seus romancistas) reunirá textos de Baudelaire e obras de arte da época (1840-1850) que ele mesmo criticava, relacionando-os entre si e analisando essas influências em sua estética de escrita.

A proposta é realmente fascinante, pois mostrará também a fase de transição entre os movimentos romantismo e impressionismo, além das indagações e reflexões de Baudelaire sobre a beleza da vida moderna em Paris, que se transformava rapidamente na metade do século 19.

Eu já estou contando os dias para ver isso de perto! E o melhor: a entrada é gratuita!

+ Info útil:

Musée De La Vie Romantique
(Museu da Vida Romântica ou Museu dos Romancistas)
16 Rue Chaptal – 75009 Paris
Metrô: Pigalle (linhas 2 e 12), Saint-Georges (linha 12) ou Liège (linha 13)
Aberto de terça-feira a domingo – das 10h às 18h.
Ingresso: entrada gratuita.

2. Mexique 1900-1950: Diego Rivera, Frida Kahlo, J.C. Orozco et les avant-gardes
(México 1900-1950: Diego Rivera, Frida Kahlo, J.C. Orozco e os vanguardistas)

De 05/10/2016 a 23/01/2017

Com uma chamada que diz: “Desejada pelas mais altas autoridades francesas e mexicanas, a exposição é a maior manifestação dedicada à arte mexicana desde 1953” – não dá para ficar indiferente.

A exposição promete nos trazer um panorama dos artistas mais célebres mexicanos, passando por Diego Rivera, Frida Kahlo, José Clemente Orozco e Rufino Tamayo; revisitando os fatos mais marcantes da história do México desde a segunda metade do século 19 – após a independência da monarquia espanhola – até os movimentos políticos, sociais e artistícos seguintes no decorrer do século 20.

Uma bela oportunidade para quem – como eu – nunca viu obras de Frida Kahlo e Diego Rivera ao vivo.

E para quem ficou curioso (como eu), a grande exposição sobre arte mexicana do ano de 1953 aconteceu em Londres, no Tate Gallery. Achei o descritivo no arquivo do site do museu aqui, dizendo que a linha do tempo da exibição partia desde as civilizações pré-colombianas!

+ Info útil:

Grand Palais
3 Avenue du Général Eisenhower – 75008 Paris
Metrô: Champs-Élysées – Clemenceau (linhas 1 e 13) ou Franklin D. Roosevelt (linhas 1 e 9)
Aberto todos os dias – exceto às terças-feiras, das 10 às 20h. Até às 22h às quartas-feiras.
Ingresso: 13 euros. Bilhete combinado com outra exposição (como a número 5 do post!): 23 euros.

1. Oscar Wilde – L’impertinent absolu
(Oscar Wilde – O impertinente absoluto)

De 28/09/2016 a 15/01/2017

Enfim, a primeira exposição francesa em homenagem ao mais extravagante irlandês francófono: Oscar Wilde!

E para este grande evento, o Petit Palais irá traçar toda a vida e obra do escritor e dramaturgo, através de um acervo de mais de 200 peças, entre documentos, manuscritos, fotografias, desenhos e quadros; trazidos da Irlanda, Inglaterra, Estados Unidos, Canadá e Itália, além dos próprios museus franceses e de coleções particulares.

Haverá até as ilustrações originais de Aubrey Beardsley para a peça Salomé de 1893, que Wilde escreveu diretamente em francês, destinando o papel principal à Sarah Bernhardt. Tudo isso em meio a trechos de filmes e gravações, entre elas as leituras de alguns textos pelo ator britânico Rupert Everett.

Que delícia! Quem me acompanha?

+ Info útil:

Petit Palais – Musée des Beaux-Arts de la Ville de Paris
(Petit Palais – Museu de Belas Artes da Cidade de Paris)
Avenue Winston Churchill – 75008 Paris
Metrô: Champs-Élysées – Clemenceau (linhas 1 e 13) ou Franklin D. Roosevelt (linhas 1 e 9)
Aberto de terça-feira a domingo – das 10h às 18h. Até às 21h às sextas-feiras.
Ingresso: 10 euros.

Add comment

© 2016 Parisieníssima - Todos os direitos reservados.